O CADEG recebeu no sábado, 28, mais uma tarde de programação do Festival Gosto da Amazônia. Palestras, oficinas e atividades infantis marcaram o dia e receberam grande volume de pessoas apesar da chuva. Além das atividades, restaurantes com pratos feitos com o pirarucu de manejo e lojas com produtos amazônicos registraram centenas de visitantes.

O projeto Mesa Brasil, do SESC, iniciou as atividades com a oficina de como aproveitar alimentos e evitar desperdício. Uma receita aproveitando todas as partes de legumes, hortaliças e bananas teve como resultado um bolinho frito, com molho pesto de coentro.

Na sequência, o chef Ricardo Lapeyre preparou um lombo de pirarucu poché servido com molho de vinho branco, caviar mujol e salada de cenouras coloridas. O chef compartilhou a experiência de participar da expedição à Amazônia para conhecer o manejo do peixe e as comunidades envolvidas no processo. “Estive lá, conheci de perto, vi o trabalho e esforço envolvidos nesse projeto. Acredito que temos que ter consciência do que a gente consome e seu impacto no planeta”, explica. E continua “Fazer parte dessa causa representa para mim uma forma de contribuir para um mundo melhor”, comentou o chef que comanda o restaurante Laguiole Lab, onde conta já ter criado mais de 40 receitas com o peixe desde que voltou da Amazônia.

A última oficina do dia contou com a presença do chef Marcelo Barcellos, do restaurante Barsa, que preparou sua versão de uma moqueca amazônica servida com farofa panko com açafrão da terra. A releitura do tradicional prato conta com ingredientes novos como cebola portuguesa, aneto, dill, endro, tomate pelati, cebola portuguesa e noz moscada. De acordo com o chef a inspiração veio da mistura da cultura brasileira “Trouxe elementos de diferentes países para representar nossa junção de tantos povos”, comentou.

O festival segue até dia 06 de outubro e tem entrada gratuita.