Publicado em: 04/06/2019

O projeto Gosto da Amazônia, iniciado em maio, chegou à sua segunda etapa com o início das oficinas culinárias realizadas no SINDRIO, no centro da cidade. A aula degustação inaugural, realizada nesta segunda (03), contou com a participação do chef Nao Hara que preparou um prato especial com o pirarucu de manejo e abriu a programação do evento que será realizada gratuitamente até o dia 23 de junho.

O chef à frente do restaurante Japa B preparou durante um bate-papo com o público um pirarucu com crosta de azeitonas acompanhado de musseline de batata baroa defumado. Além dele, Roberta Sudbrack, Natacha Fink, Ricardo Lapeyre, Andressa Cabral, Frédéric Monnier, Teresa Corção e Roland Villard vão participar do evento e preparar receitas especiais durante o todo o mês às segundas e terças.

Desenvolvido a partir da necessidade de conquistar novos mercados e um número maior de consumidores para o produto, o Gosto da Amazônia é fruto de uma parceria entre as instituições responsáveis pelo manejo do pirarucu, o Instituto Maniva, cuja missão é promover a melhoria da qualidade alimentar da sociedade, valorizando o modelo de produção familiar e sustentável, e o Sindicato de Bares e Restaurantes do Rio (SINDRIO), que representa institucionalmente mais de 11.000 estabelecimentos na cidade e está sempre em busca de novidades e melhorias para o setor. De acordo com o Gerente Executivo do SINDRIO Flavio Vieira, “O projeto se trata de promover a sustentabilidade e gastronomia amazônica”, diz.

“O projeto tem o objetivo de aumentar o consumo do pirarucu de manejo levando em conta seu impacto na sustentabilidade. Tanto remunerar de forma justa as cooperativas das comunidades ribeirinhas responsáveis pela pesca, como os restaurantes que terão acesso a um produto de qualidade superior e sem impacto negativo. Por fim, também ganha o consumidor final que recebe um produto saboroso, incentiva a pesca legal e ganha com a experiência dos sabores amazônicos”, comenta a chef Teresa Corção, do Instituto Maniva.

A iniciativa foi celebrada pelo estudante de gastronomia Rogerio Barbosa: “É muito bom abrir o mercado para iniciativas como essa. Criar oportunidades justas para comunidades ribeirinhas e ainda promover a abertura de um produto nobre na cidade”, comemora.

Na primeira etapa do projeto, 16 chefs da cidade testaram e aprovaram o pirarucu de manejo, e após a realização das oficinas no SindRio estão previstas mais três iniciativas para estimular o consumo do produto no Rio: nove chefs viajarão para a Amazônia e conhecerão de perto a pesca do pirarucu e seus impactos sociais e econômicos nas comunidades que participam do manejo; em agosto, um quiosque especializado em receitas de pirarucu de manejo e uma barraca na feira de produtores com produtos amazônicos marcarão presença dentro do maior evento de Gastronomia do país, o Rio Gastronomia; e de 20 de setembro a 06 de outubro será realizado o Festival Gosto da Amazônia no CADEG, com restaurantes servindo pratos especiais preparados com pirarucu e lojas do mercado vendendo produtos da Amazônia.