Publicado em: 11/06/2019

O Sindicado de Bares e Restaurantes do Rio de Janeiro (SindRio) recebeu, nesta segunda-feira (10), a oficina culinária da chef Natacha Fink como parte da programação do projeto Gosto da Amazônia. A chef proprietária do restaurante Espírito Santa foi a terceira convidada do evento e preparou dois pratos com o peixe privilegiando ingredientes amazônicos. Além dela, mais dois chefs já vieram e 5 ainda vão participar das oficinas culinárias realizadas na Instituição até o dia 25 de junho.

Natacha preparou primeiro uma amuse bouch feita com as aparas do peixe cozidas em caldo de tucupi com jambu, caju, castanha-do-pará, pimenta biquinho e leite de coco, servido em cima de pedaços de banana da terra. Na sequência, preparou como prato principal o piracuru cozido no caldo de tucupi com jambu, servido com uma combinação de shitake, abacaxi e especiarias sobre uma fatia de abóbora assada.

A Ecochef Teresa Corção, presidente do Instituto Maniva e uma das responsáveis pelo Projeto Gosto da Amazônia no Rio de Janeiro, destacou a atuação da chef tanto com produtores locais quanto com o uso do pirarucu. “A Natacha é a única participante a já conhecer e trabalhar com o pirarucu no seu restaurante, então foi muito interessante tê-la no projeto”, comentou. E completou: “Sabemos o quanto é difícil comprar do produtor local e valorizar ingredientes que são ricos, mas ainda de pouco acesso. Desta forma, esse projeto se mostra importante ao viabilizar esse produto no mercado de forma sustentável”, explica.

“Já trabalho há bastante tempo com esse peixe, mas nunca tive a oportunidade de servir no restaurante o pirarucu de manejo. Com o projeto não só notei uma enorme diferença no sabor do produto, como vou ter a chance de apoiar uma iniciativa sustentável e que valoriza o produtor local e movimenta uma economia justa”, diz Natacha, que está à frente do restaurante Espírito Santa há quase 15 anos.

Desenvolvido a partir da necessidade de conquistar novos mercados e um número maior de consumidores para o produto, o Gosto da Amazônia é fruto de uma parceria entre as instituições responsáveis pelo manejo do pirarucu, o Instituto Maniva, cuja missão é promover a melhoria da qualidade alimentar da sociedade, valorizando o modelo de produção familiar e sustentável, e o Sindicato de Bares e Restaurantes do Rio (SindRio), que representa institucionalmente mais de 11.000 estabelecimentos na cidade e está sempre em busca de novidades e melhorias para o setor.

A iniciativa foi celebrada pela defensora pública Maria Isabel. Interessada em gastronomia ela diz que vai passar a consumir o peixe. “Adoro cozinhar e a partir de agora pretendo até comprar o peixe e preparar para a família”, comemora.

Na primeira etapa do projeto, 16 chefs da cidade testaram e aprovaram o pirarucu de manejo, e após a realização das oficinas no SindRio estão previstas mais três inciativas para estimular o consumo do produto no Rio: nove chefs viajarão para a Amazônia e conhecerão de perto a pesca do pirarucu e seus impactos sociais e econômicos nas comunidades que participam do manejo; em agosto, um quiosque especializado em receitas de pirarucu de manejo e uma barraca na feira de produtores com produtos amazônicos marcarão presença dentro do maior evento de Gastronomia do país, o Rio Gastronomia; e de 20 de setembro a 06 de outubro será realizado o Festival Gosto da Amazônia no CADEG, com restaurantes servindo pratos especiais preparados com pirarucu e lojas do mercado vendendo produtos da Amazônia.